WhatsApp Image 2022-01-24 at 09.41.46.jpeg
engineer-electric-woman-checking-and-maintenance-of-solar-cells.jpg

Desde 17 de abril de 2012, quando entrou em vigor a Resolução Normativa ANEEL nº 482/2012, o consumidor brasileiro pode gerar sua própria energia elétrica a partir de fontes renováveis ou cogeração qualificada e inclusive fornecer o excedente para a rede de distribuição de sua localidade. Trata-se da micro e da minigeração distribuídas de energia elétrica, inovações que podem aliar economia financeira, consciência socioambiental e autossustentabilidade

Os estímulos à geração distribuída se justificam pelos potenciais benefícios que tal modalidade pode proporcionar ao sistema elétrico. Entre eles, estão o adiamento de investimentos em expansão dos sistemas de transmissão e distribuição, o baixo impacto ambiental, a redução no carregamento das redes, a minimização das perdas e a diversificação da matriz energética.
Com o objetivo de reduzir os custos e tempo para a conexão da microgeração e minigeração; compatibilizar o Sistema de Compensação de Energia Elétrica com as Condições Gerais de Fornecimento (Resolução Normativa nº 414/2010); aumentar o público alvo; e melhorar as informações na fatura, a ANEEL publicou a Resolução Normativa nº 687/2015 revisando a Resolução Normativa nº 482/2012.

H0DueKBGndmlzAAHQEXGpYknEOsV6ncQ1acr7im8kyw1GEuO7o9XH5oJPUFY2hCs6feChRnLnuXp7fHC_oePqIqZ12

Quer saber mais?

H0DueKBGndmlzAAHQEXGpYknEOsV6ncQ1acr7im8kyw1GEuO7o9XH5oJPUFY2hCs6feChRnLnuXp7fHC_oePqIqZ12
H0DueKBGndmlzAAHQEXGpYknEOsV6ncQ1acr7im8kyw1GEuO7o9XH5oJPUFY2hCs6feChRnLnuXp7fHC_oePqIqZ12